Enquanto Cuba ainda lida com incêndio em petrolífera os EUA apenas observam e esperam

Até agora as imagens da explosão de reservatórios de petróleo que decorreu na província cubana de Matanzas a 5 de agosto, e continua em chamas, se tornaram notícias internacionais. Quando um raio atingiu um tanque de petróleo na maior instalação de armazenamento de petróleo de Cuba, este explodiu e rapidamente começou a se espalhar para os tanques próximos. A partir de agora, quatro dos oito tanques foram consumidos pelo fogo. Dezenas de pessoas foram hospitalizadas, mais de 120 ficaram feridas, pelo menos 16 bombeiros ainda estão desaparecidos e um bombeiro morreu.

Por Natasha Bannan e Medea Benjamin / Pressenza *

Este último desastre, o maior incêndio de petróleo na história de Cuba, ocorre em um momento em que Cuba está passando por uma crise energética devido aos crescentes custos globais de combustível, bem como uma infraestrutura super explorada e obsoleta. O fogo violento, sem dúvida, exacerbará ainda mais as interrupções de eletricidade que os cubanos estão sofrendo como resultado da crise de energia que está ocorrendo no meio de um dos verões mais quentes já registados em todo o mundo.

Quase imediatamente, o governo cubano solicitou assistência internacional de outros países, principalmente de seus vizinhos que têm experiência em lidar com incêndios relacionados ao petróleo. México e Venezuela responderam imediatamente e com grande generosidade. O México enviou 45.000 litros de espuma de combate a incêndios em 16 voos, além de bombeiros e equipamentos. A Venezuela enviou bombeiros e técnicos, além de 20 toneladas de espuma e outros produtos químicos.

Os EUA, por outro lado, ofereciam assistência técnica, que equivalia a consultas por telefone. Apesar de ter conhecimento e experiência inestimáveis ​​com grandes incêndios, os EUA não enviaram pessoal, equipamentos, aviões, materiais ou outros recursos ao seu vizinho que realmente ajudariam a minimizar o risco à vida humana e ao meio ambiente. A Embaixada dos EUA em Havana, em vez disso, ofereceu condolências e declarou no quarto dia do incêndio que estavam “observando cuidadosamente a situação” e que entidades e organizações dos EUA poderiam fornecer ajuda humanitária. Eles até disponibilizaram um e-mail, CubaHumanitarian@state.gov, para pessoas que querem ajudar, dizendo que “a nossa equipe é um grande recurso para facilitar as exportações e doações de bens humanitários para Cuba ou responder a quaisquer perguntas”. Mas as pessoas que entraram em contacto com esse e-mail para fornecer ajuda, receberam uma resposta automática em troca, dizendo para preencherem fichas com dados pessoais de um ano atrás, para que sejam verificadas.

Compare isso com a resposta de Cuba ao furacão Katrina em 2005, quando o governo cubano se ofereceu para enviar a Nova Orleans 1.586 médicos, cada um carregando 11 quilos de remédios – uma oferta que foi rejeitada pelos Estados Unidos.

Enquanto o governo dos EUA fala da boca para fora para ajudar na emergência de Cuba, a verdade é que as sanções dos EUA a Cuba criam barreiras reais e significativas para organizações que tentam prestar assistência aos cubanos, tanto nos Estados Unidos quanto no exterior. Por exemplo, as sanções a Cuba geralmente exigem que as organizações dos EUA obtenham licenças de exportação do Departamento de Comércio. Outro obstáculo é a falta de serviço de carga aérea comercial entre os EUA e Cuba, e a maioria dos voos comerciais são proibidos de transportar assistência humanitária sem licença. A inclusão de Cuba na Lista de Estados Patrocinadores do Terrorismo significa que os bancos, tanto nos Estados Unidos quanto no exterior, estão relutantes em processar doações humanitárias. E embora as remessas de doações (que podem ser enviadas para fins humanitários) tenham sido recentemente re-autorizadas pelo governo Biden, não há mecanismo para enviá-las, pois o governo dos EUA se recusa a usar as entidades cubanas estabelecidas que historicamente as processaram. Além disso, as plataformas de pagamento e captação de recursos, como GoFundMe, PayPal, Venmo e Zelle, não processarão nenhuma transação destinada ou relacionada a Cuba devido a sanções dos EUA.

De qualquer forma, a resposta a esse desastre deve vir principalmente do governo dos EUA, não de ONGs. Uma Diretiva de Política Presidencial da era Obama menciona especificamente a cooperação dos EUA com Cuba “em áreas de interesse mútuo, incluindo questões diplomáticas, agrícolas, de saúde pública e ambientais, bem como preparação e resposta a desastres”. Enquanto Cuba lida com o fogo ardente, os EUA observam e esperam. Apesar das 243 sanções impostas pelo governo Trump – e maioritariamente mantidas pela Casa Branca de Biden – a Diretiva Política parece permanecer em vigor. Além disso, Cuba e os Estados Unidos assinaram um Acordo bilateral de Preparação e Resposta a Derramamentos de Petróleo em 2017 antes da posse de Trump, no qual os EUA observaram que significa que ambos os países “cooperarão e coordenarão em um esforço para prevenir, conter e limpar o óleo marinho e outras poluições perigosas, a fim de minimizar os efeitos adversos à saúde e segurança pública e ao meio ambiente”.

O acordo fornece um roteiro para a cooperação bilateral para enfrentar o atual desastre humanitário e ambiental. Além disso, o Escritório de Assistência a Desastres Estrangeiros, que faz parte da USAID, “é responsável por liderar e coordenar a resposta do governo dos EUA a desastres no exterior”, incluindo o envio de especialistas técnicos como eles têm feito em mais de 50 países. Nem a OFDA, nem qualquer outra unidade da USAID, (que gasta aproximadamente US$ 20 milhões anualmente em financiamento para mudança de regime em Cuba, principalmente para grupos da Flórida), ofereceu ajuda humanitária até agora. Enquanto o Congresso toma medidas importantes para avançar na legislação para lidar com as mudanças climáticas e os desastres, o governo Biden está assistindo a um possível desastre ecológico a 144 km da costa dos EUA sem oferecer assistência significativa para contê-lo, tanto para proteger o povo cubano, mas também para mitigar qualquer potencial desastre e danos marinhos no estreito que separa os dois países.

Reter assistência neste momento crítico indica aos cubanos, cubano-americanos e ao mundo, que o governo Biden não está realmente interessado no bem-estar do povo cubano, apesar das declarações em contrário. Esta é uma oportunidade de mostrar compaixão, cooperação regional, responsabilidade ambiental e, acima de tudo, ser um bom vizinho. É também uma oportunidade para o governo Biden finalmente rejeitar as políticas tóxicas do governo Trump em relação a Cuba e reiniciar o amplo engajamento diplomático bilateral que foi iniciado com tanto sucesso sob o governo Obama.

* Natasha Bannan é advogada de direitos humanos e é membro do comité de direção da ACORE (Aliança para o Engajamento e Respeito de Cuba). Medea Benjamin é co-fundadora do Global Exchange, CODEPINK: Women for Peace e ACERE (Alliance for Cuba Engagement and Respect).

Be the first to comment on "Enquanto Cuba ainda lida com incêndio em petrolífera os EUA apenas observam e esperam"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.