Cooperativas de trabalhadores no Reino Unido planeiam criar nova federação

O Conselho das Cooperativas de Trabalhadores decidiu formar uma “federação de cooperativas de trabalhadores, cooperativistas individuais e apoiantes da democracia industrial” completamente nova e independente.

Em 1971, o Industrial Common Ownership Movement (ICOM) foi criado como uma organização nacional de cúpula e de lobbying para as cooperativas de trabalhadores no Reino Unido. Fundiu-se com a União das Cooperativas em 2001 para formar a Co-operatives UK, com um Conselho de Cooperativas de Trabalho, eleito para “moldar prioridades estratégicas” para as cooperativas de trabalhadores e membros de empresas de propriedade dos trabalhadores.

Mas isto está prestes a mudar, estando planeada uma nova organização para apoiar o movimento das cooperativas de trabalhadores do Reino Unido. No início deste ano, o Conselho das Cooperativas de Trabalho decidiu formar uma “federação de cooperativas de trabalhadores, cooperativistas individuais e apoiantes da democracia industrial”, completamente nova e independente.

O plano inicial foi aprovado pelo Conselho e pela Direcção da Co-operatives UK. Os planos foram ainda desenvolvidos pelos cooperativistas de trabalhadores que se reuniram para o fim-de-semana da Cooperativa dos Trabalhadores, que teve lugar na fábrica Selgars, em Devon, durante o Dia Internacional do Trabalhador a 1 de Maio.

“Houve uma apresentação e discussão sobre como chegamos onde estamos agora; uma sessão sobre nomeação, visão e missão; e um olhar sobre os próximos passos práticos”, diz Siôn Whellens à Co-op News, que é membro da cooperativa de trabalhadores Calverts e tem assento no Conselho da Cooperativa dos Trabalhadores.

“Começámos a formar grupos de trabalho para pensar em como chegar ao ponto quando estaremos prontos para o lançamento”. Há muitas incógnitas conhecidas, mas está a tomar forma”.

O Conselho Cooperativo dos Trabalhadores tem estado em conversações com o pessoal de Co-operatives UK e tem entrado muito em reuniões ao longo do último ano, acrescenta Whellens. “Chegou ao ponto em que temos um acordo, e portanto termos para a relação entre a nova organização e a Co-operatives UK.

Haverá necessidade de mais pormenores, mas os princípios gerais estão lá. Dois elementos importantes são que a cooperativa de trabalhadores e os membros da cooperativa de trabalhadores (EO) da organização serão oferecidos como membros duplos com a Co-ops UK a um custo simbólico extra, e que a Co-ops UK a apoiará materialmente durante os primeiros dois anos de formação”.

Uma visão para a cooperação dos trabalhadores

A visão da organização (o nome ainda está em discussão) é reunir uma aliança de pessoas e organizações “com um enfoque explícito nas questões dos trabalhadores, organização liderada pelos trabalhadores, solidariedade social, e justiça económica”.

Whellens salienta que é um contexto e um processo muito diferente daquele que formou a ICOM há 50 anos. “Nos anos 70 houve um ressurgimento de trabalhadores e daquilo a que agora chamamos cooperativas comunitárias, o que levou a uma redescoberta do sistema cooperativo como algo que poderia beneficiar os trabalhadores. O governo social-democrata da época apoiava a política em torno da propriedade comum, e havia financiamento do governo local e central para as cooperativas. O ICOM foi fundado para apoiar isso”.

Leia a íntegra do artigo da Co-op News, por Rebecca Harvey aqui.

About the Author

Diário 560
Jornal online especializado em Economia Social