Cooperativa Hazal revoluciona sector habitacional em Aldoar no pós 25 de abril

A Cooperativa Hazal, formalmente denominada por Cooperativa de Habitação Económica dos Habitantes da zona de Aldoar, surgiu na época pós 25 de abril, em 1978. A sua criação foi motivada pelo surgimento de alguns problemas, sobretudo no setor habitacional.

O bairro camarário da Fonte da Moura, situado na freguesia de Aldoar, era, nos anos 60, um meio caracterizado pela sobreocupação de famílias nas habitações, onde se acumulavam pessoas por falta de possibilidades económicas. Os jovens não tinham futuro em termos habitacionais A sobreocupação dava-se pela grande quantidade de jovens que não apresentavam possibilidades de procurar uma casa própria noutro sítio e, por isso, os agregados familiares iam dobrando a sua dimensão. Joaquim Gonçalves, ex-diretor da cooperativa, relata ter conhecimento de habitações T2, onde chegaram a viver 19 pessoas.

Por este motivo, a Câmara Municipal do Porto viu chegar milhares de pedidos de habitação, aos quais não teve capacidade de resposta em termos financeiros e operacionais. Após a revolução de 1974, o setor da habitação foi um dos que mais se mobilizou, indo ao encontro das melhores soluções para resolver a questão dos problemas habitacionais. Deste modo, surge a Comissão de Moradores do bairro da Fonte da Moura, uma das primeiras na cidade do Porto, que levou, por fim, à criação da cooperativa habitacional.

Testemunho sobre o surgimento da Comissão de Moradores do bairro da Fonte da Moura

Conscientes de que as cooperativas seriam um polo de atração para ajudar a resolver momentaneamente as questões habitacionais da época, as entidades oficiais mostraram-se recetivas às propostas e facilitaram o processo burocrático inicial. A Câmara Municipal do Porto acabou por ceder um espaço para construir – a Praceta Cidade da Praia, em Aldoar. A burocracia de início de construção dos fogos habitacionais decorreu durante 5 anos, entre 1976 e 1981. Em 1984, deu-se por concluída a
construção das 110 casas e a consequente entrega das mesmas aos associados, um marco fulcral para a história do movimento cooperativo habitacional.

Praceta Cidade da Praia, Aldoar.

As construções da cooperativa expandiram-se, ao longo dos anos, pelos concelhos de Matosinhos, Porto e Gondomar.

Por fator das várias fases políticas que o país atravessou, as cooperativas foram perdendo alguma capacidade de contestação, já não tendo a força necessária para reivindicar e pedir financiamentos ao Estado. Começaram a ser consideradas como promotores imobiliários privados e uma boa parte delas estagnaram nas suas atividades. Isto aconteceu também à Cooperativa Hazal, o que levou a que deixasse de ter atividade própria, embora ainda exista, em termos legais.

Café Hazal, situado na praceta Cidade da Praia, onde se reunem os moradores.

Atualmente, existe a Associação Recreativa e Cultural Praceta da Praia, dirigida por uma das pessoas que acompanhou a evolução da cooperativa de perto e sempre esteve ligada à parte social e recreativa. Depois da inatividade que a cooperativa começou a sofrer, Aureliano abraçou o projeto de constituir esta associação, onde junta os moradores para atividades desportivas e culturais. Um dos exemplos foi a celebração dos 40 anos da Hazal – cooperativa económica dos habitantes da zona de Aldoar, onde se realizou um colóquio que contou com a participação de moradores e ex-moradores da urbanização construída pela cooperativa, assim como todos aqueles que contribuíram para que este projeto se realizasse.

About the Author

Ines Soares
Aluna de Ciências da Comunicação na Universidade Fernando Pessoa.