A circunstância do indocumentado

A música é um canal de expressão do sentir popular dos cidadãos em tempos de crise. Este canal será uma oportunidade para que conheçam as nossas histórias, os nossos costumes e os nossos sentires. As histórias, os costumes e sentires da nossa América Latina.

Começo por falar de uma canção, escrita por Ricardo Arjona, cantor e autor da Guatemala:

Mojado é uma fotografia de uma de tantas histórias de um indivíduo que tenta entrar em outro país. A canção reflete uma parte da história latinoamericana e a sua necessidade triste, que muitos dos seus filhos sentem no momento de cruzar uma fronteira, procurando o progresso que não encontram na sua própria terra. 

Por outro lado, a constatação da rejeição dos imigrantes por parte dos cidadãos nacionais, fazendo-os sentir como sendo um problema ou até mesmo uma ameaça. Porém esquecem que muitas das vezes os imigrantes ajudam e contribuem a construir uma sociedade melhor.

A canção tem por base a circunstância dos ilegais latinoamericanos nos Estados Unidos. O vídeo da música foi gravado na fronteira entre o México e os Estados Unidos da América, sítio por onde tantos mexicanos e outros latinoamericanos arriscam suas vidas, dia após dia, na procura de uma outra realidade.

A palavra Mojado (Molhado), é uma expressão usada para classificar aqueles que cruzam esta fronteira. Pois a travessia da fronteira corresponde a atravessar o Rio Bravo ou o Rio Grande que separa o México dos Estados Unidos, nadando ou em pequenas embarcações precárias.

EL MOJADO

Ricardo Arjona

Empacó un par de camisas, un sombrero

Su vocación de aventurero, seis consejos, siete fotos, mil recuerdos

Empacó sus ganas de quedarse

Su condición de transformarse en el hombre que soñó y no ha logrado

Dijo adiós con una mueca disfrazada de sonrisa

Y le suplicó a su Dios crucificado en la repisa el resguardo de los suyos

Y perforó la frontera como pudo

Si la Luna suave se desliza por cualquier cornisa sin permiso alguno

¿Por qué el mojado precisa comprobar con visas que no es de Neptuno?

El mojado tiene ganas de secarse

El mojado está mojado por las lágrimas que evoca la nostalgia

El mojado, el indocumentado

Carga el bulto que el legal no cargaría ni obligado

El suplicio de un papel lo ha convertido en fugitivo

Y no es de aquí porque su nombre no aparece en los archivos

Ni es de allá porque se fue

Si la Luna suave se desliza por cualquier cornisa sin permiso alguno

¿Por qué el mojado precisa comprobar con visas que no es de Neptuno?

Mojado

Sabe a mentira tu verdad, sabe a tristeza la ansiedad

De ver un freeway y soñar con la vereda que conduce hasta tu casa

Mojado

Mojado de tanto llorar, sabiendo que en algún lugar

Le espera un beso, haciendo pausa desde el día en que te marchaste

Si la Luna suave se desliza por cualquier cornisa sin permiso alguno

¿Por qué el mojado precisa comprobar con visas que no es de Neptuno?

Si la visa universal se extiende

El día en que nacemos

Y caduca en la muerte

¿Por qué te persiguen, mojado?

Si el cónsul de los cielos

Ya te dio permiso

About the Author

Diário 560
Jornal online especializado em Economia Social

1 Comment on "A circunstância do indocumentado"

  1. O meu apoio total aos migrantes

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.