Vítimas de violência no namoro não formalizam denúncia em 73% dos casos reportados

Em mais de 73% dos casos reportados não foi apresentada uma denúncia às autoridades e a maioria das vítimas não solicitou ajuda junto de qualquer estrutura de apoio especializado, demonstrando a dificuldade associada à exposição destes casos.

Esta é uma das conclusões do relatório anual do Observatório da Violência no Namoro em Portugal. Os dados referem-se a 2019 e revelam ainda a zona do Porto, com maior incidência de casos (51,4%) de um total de 74 denúncias.

À frente da iniciativa está a Associação Plano i, com sede em Matosinhos, que disponibiliza ainda um atendimento telefónico 24 horas no contacto 966 090 117 ou em gis@associacaoplanoi.org, destinado a vítimas de violência doméstica ou de género.

A instituição é ainda responsável pelo Centro de Respostas às Populações LGBTI (GIS), pessoas lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexo. O Centro GIS presta apoio psicológico, médico, jurídico, formação e ainda mantém casas de abrigo em Lisboa e no Norte.

Em parceria com instituições como a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta e a ILGA Portugal, a mais antiga associação dedicada às questões da comunidade LGBTI, a Associação Plano i tem vindo a compilar, desde 2017, o relatório sobre a Violência no Namoro.

O relatório pode ser consultado online neste link. Sofia Jamal, uma das coordenadoras da Associação Plano i para a Igualdade e Inclusão, estará à frente de uma tertúlia em Gondomar, no próximo dia 26, acerca da temática “Violência no Namoro”, na sede da Associação Padre Maximino.

About the Author

Marcelo de Andrade
Editor do Diário 560. Jornalista e Fotojornalista há 25 anos.