Ver a Sociedade com olhos de ver

Por Paulo Jorge Teixeira

Hoje, nos nossos dias em que se questiona tudo o que nos rodeia, e o que se nos diz, em que buscamos permanentemente a visão que o outro esta errado, afirmar a procurar valores comuns, revela-se um trabalho hercúleo e sobretudo difícil de obter consensos necessários à vida em sociedade.

Quando temos a escola a querer educar em vez de ensinar, quando temos grupos minoritários a querer impor uma agenda oculta e sem ligação ao sentir comum de todos, temos de nos procurar situar, e ver com buscar, e recolocar esse matiz fundamental e comum, que nos permite viver como habitualmente vivemos, em paz, no respeito do outro e das suas ideias, e em liberdade.

As bases existem e estão ao nosso dispor. Nunca como hoje dispomos de consciência de que somos, e de como devemos agir para afirmar a nossa cidadania e o nosso bem-estar.

A sociedade moderna, presa de interesses e valores ao serviço de poucos, e sem respeito pelo pulsar de vidas livres e autónomas tenta cada vez mais cortar essas aspirações e essas liberdades.

Faz isso de modo simples, e todos os dias, por isso afirmar: a resistência cabe às forças vivas da sociedade (sindicatos, associações, cooperativas e outros agentes do pulsar livre e coletivo) mas sobretudo a cada um de nós.

Fazemos isso ao afirmar direitos que a Carta das
Nações Unidas criou para a década de 20/30.

Os 17 ODS são uma Magna Carta de direitos e de deveres a acautelar e a pugnar por resolver, por todo e cada um de nós.

Fazemos isso ao lutar por salários dignos e por uma sociedade empresarial não hegemónica e sufocante.

Fazemos isso trabalhando para dar uma Educação que nos permita crescer na nossa diversidade e pluralidade rejeitando os igualitarismos de má memória.

Fazemos isso dia a dia construindo soluções que nos tragam comunidades equilibradas, e em que o sentir do coletivo seja reforçado e lembrado.

Porque parte de nós e do que somos e queremos deixar aos outros fazer essa demanda.

Ver a sociedade com olhos de ver é nos dado pela nossa afirmação como indivíduos atentos, participativos e com a responsabilidade social que impacte na sociedade.

Somos tão mais fortes quanto mais plurais formos, quanto mais ao serviço quisermos estar.

Ver significa por fim estar disposto a assumir a nossa responsabilidade individual para que se torne o lugar em que vivemos um espaço de liberdade

About the Author

Paulo Jorge Teixeira
Paulo Jorge Teixeira é presidente da Direção da Cooperativa do Povo Portuense.

Be the first to comment on "Ver a Sociedade com olhos de ver"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.