Economia Social tem reunião do Comité de Monitorização da Declaração do Luxemburgo

Decorreu no dia 28 de Maio, sob presidência do Governo Espanhol, por videoconferência, a Reunião do Comité de Monitorização da Declaração do Luxemburgo, grupo de alto Nível para a Economia Social.

Estiveram presentes representantes de 14 países, incluindo o Secretário de Estado da Segurança Social de Portugal Gabriel Bastos; bem como representantes da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu, do Comité Económico e Social Europeu (CESE), da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Social Economy Europe (SEE) e da Confederação Empresarial Espanhola da Economia Social (CEPES) entre outras organizações.

A Ministra do Trabalho e Economia Social de Espanha, Yolanda Diaz, deu a conhecer as 6 prioridades do seu governo para a economia social: Por a economia social no centro do Pilar Social Europeu; Plano de Ação Europeu para a Economia social que irá ser lançado pela Comissão Europeia no segundo semestre de 2021; A Inovação Social; impacto da economia social nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS); Expansão da economia social fora da Europa e junto de jovens empreendedores, nomeadamente através da continuidade do Pacto para o Impacto (iniciativa Francesa de aliança global para economia social), incluindo países da América latina; Medição da economia social através de contas satélite e impacto ambiental e social, criando também uma plataforma digital que centralize recursos sobre economia social.

Foi ainda anunciada a criação de uma Conta Satélite da Economia Social em Espanha e a cidade de Toledo como sendo a capital da Economia social em 2020.

A Diretora Geral da Economia Social e RSE de Espanha, Maravillas Espín, mencionou a importância da estratégia de expansão do Comité, nomeadamente à Europa de leste, Balcãs e Mediterrâneo, realçando a importância de que a Alemanha estivesse também presente; aludiu ainda à necessidade alinhamento entre estratégias nacionais e europeias, nomeadamente quanto à programação 2021-2027 dos fundos estruturais e relativamente ao Plano de Ação Europeu para a Economia Social.

França, representada pelo Alto-comissário para a Economia Social e Solidária e Inovação Social, que presidiu ao comité em 2019, fez referência à necessidade de fundos de investimento e à importância da medição de impacto.

Portugal terá a presidência do Comité em 2021, tendo o Secretário de Estado português referido que a Economia social ganhou peso nos últimos anos, sobretudo a nível de emprego e coesão social. Mas necessita de reforçar o seu papel e contribuir para a recuperação económica e social na sequência da Crise do Covid-19. Anunciou que na Presidência Portuguesa do Conselho da EU em 2021 Portugal pretende promover uma reunião de alto nível sobre Economia Social, para reflexão sobre Plano de Ação e para que os Estados Membros se envolvam neste processo. Mencionou ainda a importância da parceria com a União Para o Mediterrâneo e dos ODS, bem como do financiamento para o Plano de Ação Europeu. Terminou a sua intervenção aludindo à importância dos jovens, da criação de empresas de economia social e da inovação social.

Seguiram-se intervenções dos restantes países, que defenderam Economia Social como resposta à crise e recuperação económica e social no período pós-crise, bem como a importância do Plano de Ação Europeu e do alinhamento entre todos os países, e das estratégias nacionais com o Plano, apesar de existirem tantas realidades diferentes.

A SEE e CEPES fizeram intervenção conjunta, proferida por Juan Antonio Pedreño, que referiu a importância do programa de recuperação Next Generation EU, https://ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/ip_20_940 que disser conter diversas referências à Economia social. Mencionou a relevância da Economia Social enquanto motor da recuperação através do empreendedorismo coletivo e da reindustrialização, sendo necessário promover alterações no quadro jurídico e institucional. Referiu que a economia social é igualmente propulsora da Economia Verde, sendo necessários fundos para medidas de capacitação e políticas de coesão e na importância das plataformas cooperativas e da digitalização. Foi ainda feita uma apresentação do Programa Operacional para a Economia Social do Governo Espanhol, gerido pela CEPES, caso único a nível europeu. Representa um fundo de 34 milhões de euros entre 2014-20 que teve 122 operações, criando 625 empresas de economia social, 1800 novos empregos e consolidando outros 2000 (com 50% de emprego feminino). Aconselhou os restantes países a seguir o exemplo e a pôr como um dos objetivos específicos do FSE+ a Economia Social.

A Comissão Europeia referiu que as entidades de economia social têm de ter acesso total a medidas de alívio do COVID (como recomendado pelo Comissário Schmit na carta aos Ministros do Trabalho europeus) e que a presente situação torna o Plano de Ação ainda mais relevante: mais emprego, medidas de capacitação fortalecer comunidades a nível local. Referiu que o Plano tem de ser adaptado a nível local, regional e nacional e que, apesar de haver muita variação nos diferentes países, há muitos desafios comuns: falta de reconhecimento; falta acesso aos mercados e à contratação pública e dificuldades no mercado interno; necessidade de capacitação e falta de conhecimento e formação das entidades de economia social e das autoridades nacionais. Referiu que o plano de Recuperação Next Generation EU confirma a integração da economia social, sendo o seu papel na crise e recuperação reconhecido, sendo no entanto necessário fornecer à Comissão exemplos que ilustrem isso.

A próxima reunião decorrerá no segundo semestre de 2020.

About the Author

Diário 560
Jornal online especializado em Economia Social

Be the first to comment on "Economia Social tem reunião do Comité de Monitorização da Declaração do Luxemburgo"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.