Assembleia Constituinte do Chile abre caminho para um novo modelo de desenvolvimento

(Pressenza) – A Convenção (Assembleia) Constitucional (CC) do Chile aprovou há uma semana as normas que configuram um novo tipo de Estado na esfera económico-produtiva, o que abre caminho para a construção de um modelo de desenvolvimento que pode acabar com o neoliberalismo. Anteriormente, a CC havia aprovado normas que garantiam direitos sociais fundamentais, pondo fim à comercialização da saúde, educação e previdência, bem como ao “vergonhoso” bem-estar da extrema pobreza.

Agora, a CC afirma que “o Estado terá iniciativa pública na atividade económica” e, portanto, poderá exercer atividades empresariais. As regras agregam explicitamente o objectivo de diversificação produtiva e de promoção da inovação e, juntamente com estes, priorizam as questões ambientais. A isto se acrescenta que o Estado “deve prevenir e condenar os abusos de mercado”.

A instalação constitucional desse novo tipo de Estado é uma mudança substantiva o nosso país, consideram os sectores mais à esquerda. A diversificação da economia, a implantação do empreendedorismo do sector público, a promoção da inovação e a proteção do meio ambiente poderão mudar a forma como vivem os chilenos, porque a actual base produtiva do país, baseada em recursos naturais, é imensamente frágil. É a base material das desigualdades, do emprego precário e da informalidade crescente, do esgotamento do crescimento e da queda da produtividade.

A Assembleia Constituinte abre caminho para um novo modelo de desenvolvimento. As actividades produtivas serão implantadas em todos os territórios e não apenas onde há produção de cobre, pesca e silvicultura. A diversificação será a nova base material do modelo de desenvolvimento, com efetivo apoio da ciência e tecnologia moderna, promovida pelo Estado. Desta forma, será possível relançar o crescimento e a produtividade nos diversos ramos da economia, em resposta ao já esgotado modelo de retalho. Isso permitirá uma confluência positiva de trabalhadores, PMEs, grandes empresas e Estado, sem evitar a proteção ambiental e, ao mesmo tempo, garantir o funcionamento efetivo da concorrência.

De fato, a atual base produtiva e exportadora do país, baseada em recursos naturais, é extremamente frágil. Não só porque as matérias-primas estão sujeitas a oscilações bruscas de preços no mercado internacional, mas também porque esse tipo de produção não aproveita todas as forças produtivas e seu foco territorial impede que se espalhe para o restante da sociedade. Na realidade, é um negócio de alto lucro para uma minoria de grandes empresários, mas o baixo valor agregado que gera estreita a fronteira produtiva e não ajuda a criar fontes sólidas de emprego.

Enquanto as matérias-primas são “superexploradas” e seus lucros concentrados nas mãos de uma minoria empresarial, que as produz e exporta, o meio ambiente tem sido cada vez mais afectado. Além disso, isso tem afetado a disponibilidade de água, pois ela é retirada do consumo humano para ser utilizada abundantemente na agricultura e mineração.

A mineração de cobre é exportada sem qualquer valor agregado, enquanto a superexploração da pesca industrial levou ao colapso dos principais recursos marinhos. Ao mesmo tempo, a derrubada de matas nativas tem sido acompanhada pelo aumento das plantações florestais exóticas, principalmente pinus e eucalipto, com danos irreversíveis à terra.

O sector privado não está interessado em investir em ciência e tecnologia. E o estado também não. Prova disso é o escasso investimento em ciência e tecnologia de apenas 0,35% do PIB para ciência e tecnologia, enquanto na OCDE é de 2,5%.

Com uma matriz produtiva baseada em recursos naturais e pouca pesquisa em ciência e tecnologia, a economia sofreu uma queda da actividade económica e da produtividade nos últimos anos, levando à precarização do emprego e ao crescimento da informalidade.

Como disse Ricardo Hausmann, da Universidade de Harvard, a economia chilena, baseada no preço do cobre não refinado, fecha as portas ao desenvolvimento. Isso é confirmado pelo economista Ha-Joon Chang, da Universidade de Cambridge, ao apontar que o desenvolvimento só é potencializado quando as habilidades produtivas das pessoas aumentam; quando sua capacidade de se organizar em actividades industriais e empreendimentos inovadores melhora e eles conseguem transformar o sistema produtivo. Em outras palavras, a diversificação produtiva aliada ao progresso técnico e à educação dos trabalhadores são fundamentais para o crescimento e desenvolvimento dos países.

O crescimento econômico baseado em recursos naturais e sua exportação para o mundo não abriu caminho para o desenvolvimento do Chile. Mesmo esse tipo de crescimento chegou ao limite, perdeu o fôlego. Essa matriz produtiva e exportadora é a limitação do desenvolvimento e é também a base material das desigualdades: de renda, entre territórios, de saúde, educação e previdência.

A Assembleia Constituinte veio para mudar essa situação. Suas regras para a nova Constituição anunciam um novo modelo económico, cuja diversificação implantará novas forças produtivas. Agora será possível promover as indústrias de processamento, sem entraves pelos mercados. Será essa base material que permitirá aumentar a produtividade, retomar o crescimento e melhorar a base tributária do país, para que os direitos sociais garantidos na nova Constituição possam ser financiados. E o Estado poderá se tornar um agente ativo de transformação produtiva. (Fonte: Agencia Pressenza/UNO/El Desconcierto)

About the Author

Diário 560
Jornal online especializado em Economia Social