A velha desinformação em tempos de novos vírus

Controlo no aeroporto de Milão, Itália. (Foto: Departamento de Protecção Civil)

Por Samira Sadeque

NOVA YORK, 28 de fevereiro de 2020 (IPS) – Um mês após a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar o coronavírus uma emergência de saúde, a campanha agora deve conter desinformação que se espalha em maior escala que a doença, na maioria das vezes para interesses maliciosos.

Na quinta-feira 27, o Secretário Geral das Nações Unidas, António Guterres, reiterou que o Covid-19, o nome oficial do vírus, ainda não é uma pandemia e exigiu cautela no tratamento da doença e sua propagação em todos os continentes, embora com baixa taxa de mortalidade.

“Ainda não estamos em uma pandemia, mas há um risco claro e a oportunidade de evitá-la está sendo reduzida”, disse ele, acrescentando que os governos devem fazer todo o possível para interromper a propagação e fazê-lo agora.

Ele também expressou preocupação com os países em desenvolvimento do Sul que “não têm capacidade” para lidar com uma eventual enorme escala de contágio.

Guterres exortou as pessoas a evitar a estigmatização do novo vírus e “a ter uma abordagem de direitos humanos no caminho para combater esta doença”.

No entanto, à medida que as autoridades de saúde de todo o mundo continuam se preparando para enfrentar o vírus, contra o qual ainda não existe nenhum medicamento ou vacina específica, há outro aspecto da crise que deve ser abordado: a campanha de desinformação em expansão, especialmente através da internet.

David P. Fidler, membro principal de segurança cibernética e saúde mundial do grupo de especialistas do Conselho não-governamental de Relações Exteriores, com sede nos Estados Unidos e em ações internacionais, detalhou a questão de informações erradas e os danos que ela causa durante uma emergência de saúde assim.

Fidler escreveu em 2019 sobre o impacto causado pela desinformação em torno do surto de Ebola, que agora é usado para o Covid-19.

“A desinformação ameaça a saúde porque prejudica a confiança na ciência, questiona as motivações dos profissionais de saúde, politiza as atividades de saúde e cria problemas para respostas aos desafios das doenças”, afirmou.

Ele continuou explicando que tem raízes históricas: frequentemente, doenças contagiosas são associadas ou estão erroneamente ligadas a imigrantes ou a um país estrangeiro para perpetuar sentimentos xenófobos.

“Disseminar informações erróneas sobre doenças era uma tática de campanhas de desinformação por parte dos governos antes da era das redes sociais”, afirmou o cientista.

Fidler concedeu uma entrevista à IPS para discutir a desinformação que está se expandindo mais rapidamente do que o vírus na covid-19 e como ele pode agravar a crise social e de saúde em torno da doença, que de fato tem gerado menos mortalidade até agora a partir do qual todos os anos produz a gripe comum.

IPS: Em geral, durante uma crise como essa (ou no passado com o vírus Ebola ou sars), qual é o principal desafio para conter a desinformação que envolve a doença?

DAVID P. FIDLER: Em surtos anteriores, dois fatores geralmente convergiram para produzir problemas a partir de informações e informações erradas: incerteza sobre o surto por autoridades nacionais e internacionais de saúde que se esforçam para lidar com a doença e falta de confiança da população nas informações fornecidas por fontes oficiais.

Esses fatores apareceram nos surtos de doenças antes do advento das redes sociais, e a escala e a intensidade das informações e informações erradas circulando nas plataformas de mídia social exacerbam os dois fatores mencionados acima.

Além disso, a facilidade com que as informações erradas podem ser disseminadas e ampliadas nas redes sociais tornou-se outro fator que as autoridades de saúde pública devem abordar ao lidar com surtos. As redes sociais até atrapalham a comunicação de informações precisas. Vi no Twitter uma cacofonia de informações inadequadas compartilhadas, o que frustra os especialistas que tentam identificar e compartilhar as informações mais recentes e adequadas sobre o Covid-19.

IPS: O que gera desinformação em um cenário de epidemia como essa?

Fidler : No passado, pessoas com agendas políticas exploravam o medo criado por surtos sérios para produzir e espalhar desinformação. Essas informações erróneas procuram essencialmente transformar o surto em uma arma para outros fins políticos. Na era das redes sociais, essa “armamentização” de surtos virais para fins políticos foi industrializada, por falta de um termo melhor, por atores estatais e não estatais que exploram o potencial das redes sociais para espalhar desinformação em grande escala. Escala e alta velocidade. É algo nunca visto antes, especialmente no contexto da saúde pública.

IPS: Na sua opinião, qual é atualmente o maior mal-entendido sobre o coronavírus?

Fidler : Acho que estamos vendo uma “carga tripla” no espaço de informações no Covid-19. Primeiro, as autoridades de saúde, nacional e internacionalmente, estão lutando para comunicar informações sobre o novo vírus sobre o qual muitas coisas são desconhecidas.

No entanto, em nível internacional, a OMS piorou o clima da informação elogiando a resposta da China, apesar de muito do que a China fez no combate ao surto em seu território não é consistente com as recomendações da OMS sobre o surto ou a ênfase no passado em respostas a outros surtos, que não restringem desnecessariamente o comércio, as viagens e os direitos humanos. Acredito que a credibilidade da OMS sofreu um grande golpe.

No nível nacional, vemos, por exemplo, o atual circo no governo dos Estados Unidos sobre a comunicação com a população dos EUA sobre o surto, e imagino que outros governos nacionais também estejam lutando para que a “mensagem” seja correta.

O que me surpreende, tendo estudado surtos por quase três décadas, é que esse problema de comunicação continua confundindo as autoridades nacionais e internacionais de saúde quase sempre, portanto, aparentemente, a chamada “lição aprendida” não é realmente verdadeira e você nunca aprende.

Segundo, estamos vendo que a arma da desinformação com o surto tem propósitos políticos diferentes. Para mim, esse surto é diferente no sentido de que o armamento se conectou com a mudança na geopolítica, com a ascensão da China e as preocupações com o crescente poder e influência da China, que aguçam e ampliam as críticas à resposta do país para o surto. Aqui, ao contrário do Ebola na África, temos o surto entrelaçado com a crescente grosseria da política de equilíbrio de poder entre os Estados Unidos e a China.

Terceiro, temos o efeito de redes sociais em que atores estatais e não estatais estão divulgando informações erradas de maneira ampla e rápida em um contexto em que nenhum governo ou organização internacional tem respostas políticas eficazes para resolver esse problema.

IPS: Qual é a sua recomendação para os diferentes setores envolvidos para cumprir sua função de controlar que a desinformação não seja disseminada?

Fidler : Formuladores de políticas: os marcos da comunicação eficaz durante surtos têm sido estudados e publicados com frequência (em crises). Portanto, siga o manual de instruções, incluindo a disponibilidade das informações mais atualizadas nos media, de maneira acessível às pessoas. Incorpore um componente consultivo de comunicação sobre as medidas que as pessoas devem tomar para proteger a si mesmas e suas famílias. Esclareça os dados e repita várias vezes à medida que o surto evolui. O ambiente de informação/desinformação é agora mais competitivo devido às redes sociais, mas os princípios básicos da comunicação eficaz em um contexto de crise (para um surto) permanecem válidos, ainda mais quanto mais ruído.

IPS: E no caso de pessoas e setores da sociedade, como pode ser feita uma contribuição contra a desinformação?

Fidler : Em instituições como escolas e locais de trabalho: seus líderes devem monitorar as informações emitidas pelos Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos (no caso deste país ou similares em cada nação) e traduzir essas informações em passos e planos práticos para o ambiente escolar e para outros específicos no local de trabalho. Mais uma vez, você precisa ser rápido, frequente e fácil de entender ao usar e fornecer informações.

No caso de pessoas: não confie apenas nas redes sociais para obter informações sobre o surto do Covid-19 e como isso pode afetar você e sua família. Visite repetidas vezes as informações fornecidas por fontes oficiais e adapte-as às suas circunstâncias individuais e familiares.

Para responder às preocupações das pessoas e combater a desinformação, a OMS lançou sua iniciativa EPI-WIN, que visa fornecer aos usuários informações oportunas e precisas, enquanto controla a chamada “infodemia” que a organização descreve como ‘quantidade excessiva de informações sobre um problema que dificulta a identificação de uma solução’. (Fonte: Pressenza/inDepthNews/International Press Service)

About the Author

Marcelo de Andrade
Editor do Diário 560. Jornalista e Fotojornalista há 25 anos.